Com a onda da 4ª Revolução Industrial – ou Indústria 4.0 – empresas de todos os segmentos e portes passaram a dedicar seus esforços considerando a substituição de processos operacionais para automatizados, utilizando recursos de tecnologia e inovação.

A princípio, o impacto estava diretamente relacionado ao core business da empresa.
Atualmente, chegamos à conclusão de que a transformação digital é necessária em todas as áreas de uma companhia, incluindo as consideradas como apoio ao negócio. No caso de Recursos Humanos, essa transformação passou a exigir de gestores e colaboradores uma responsabilidade ainda maior. Se antes considerado como um “departamento administrativo”, hoje o Recursos Humanos passou a ser visto como uma área de extrema importância estratégica nas empresas.

A adoção necessária do Home Office distanciou colaboradores fisicamente dos escritórios e essa tendência, mesmo com o avanço da vacinação, veio para ficar, já que uma grande parte das empresas passaram a enxergar essa prática com bons olhos. Isso também impactou fortemente na motivação e retenção dos colaboradores. Oscilações de mercado, incertezas com relação a continuidade nos empregos e até mesmo a falta do contato físico diário com outros colaboradores, são fatores que causaram grande tensão no universo corporativo.

Por isso, o uso da tecnologia em Recursos Humanos é fundamental! Atualmente, é possível encontrar plataformas que oferecem, por exemplo, recursos como a Inteligência Artificial para coleta e análise de dados, contribuindo e muito com a tomada de decisão diária. A proposta do RH 4.0 é ser um agende de transformação, passando a contribuir diretamente com a construção dos objetivos e estratégias das empresas. Para que isso seja possível, desenvolvemos um “To do List” com 6 ações essenciais no processo de implantação do conceito:

  1. É preciso criar uma inteligência em Recursos Humanos e, para isso, é fundamental automatizar os processos manuais;
  2. É necessário entender quais as tecnologias existentes no mercado capazes de, além da automação, gerar dados e informações relevantes e, principalmente, que possa ter
    acesso flexível e móvel;
  3. Através da integração dos dados, é possível gerar relatórios que servirão como um apoio para análise e obtenção de informações estratégicas;
  4. Investimento na especialização de colaboradores para que possam não só saber, mas sim, interpretar e gerar insights;
  5. Reposicionamento das funções com foco na diminuição de atividades burocráticas e aumento no exercício de inteligência de RH;
  6. Conscientização do corpo diretivo do papel do RH na estratégia da Companhia.
    Como citamos anteriormente, esses são apenas os passos essenciais. Dependendo da realidade de cada empresa, algumas ações adicionais podem ser necessárias e, para isso, um Diagnóstico de RH pode ser uma excelente ferramenta para auxiliar os gestores neste processo de transição.

Gostaríamos de saber sua opinião a respeito do quanto esse artigo contribuiu com seu conhecimento em relação ao RH 4.0.  Conte para nós! Será um compartilhar conhecimentos com você!

Open chat